diz que sou uma roda e muito viva

Sou aos sorrisos e aos caracóis. Acusam-me de positiva e de alegre e, nisso, dou a cara como culpada. Falando em cadastros, não gosto de os encher com virares de costas antes de fazer tudo o que posso - só abandono o barco quando já nem a fita-cola me ajuda a segurar os cantos da boca para cima. Sei que, quando não há mantimentos que me valham, apenas forças que me ultrapassam, há que restabelecer objetos e rumos. Ora, nisto os caracóis estão sempre lá. Tenho muitas fases, muitos giros e rodopios. Construo, destruo e reconstruo o meu chão, enquanto rodo sobre aquilo que me vai na cabeça, tanto em pura imaginação e devaneios, como em considerações sobre a realidade. Sou, pois, pelas histórias: pelas que se leem, pintam e escrevem, que são a minha terapia e reforçar de espírito - mas, e principalmente, como todos, pelas que se vivem.

Com vida,
Maria

Sem comentários:

Enviar um comentário