terça-feira, 13 de setembro de 2016

De Ontem

Ontem começou o ano letivo. Chegámos à faculdade às 14h em ponto e, junto a toda a turma, procurámos como formigas a misteriosa sala 14 na qual iríamos ter seminário de estágio - diziam eles. Não só descobrimos que a sala 14 não existia como que não existia tal seminário: é coisa virtual, só para enfeitar o horário... literalmente. Segundo os professores que, depois de algum desespero, encontrámos a vaguear pelos corredores, a inscrição naquele seminário foi só para dizer que, durante aquela hora e mais para a frente no ano letivo, os professores vão marcar reuniões de orientação de estágio connosco (um minuto de silêncio por esta brincadeira). Alguém nos podia ter avisado antes de sairmos de casa, não? Ou, no mínimo, a faculdade podia ter atendido as chamadas que já andávamos a tentar fazer há dias e dias para percebermos se sempre teríamos seminário ou não. Mas claro que não nos facilitaram a vida nesse sentido, e por isso lá tivemos de nos conformar e fazer tempo até às 17h - hora do seminário seguinte, o de dissertação, que também não tínhamos a certeza absoluta se iria haver. Esse já existiu e aconteceu e, para além da apresentação usual do programa que nos acompanhará daqui para a frente, distribuíram-nos uns questionários cujos dados analisaremos durante as próximas semanas. Os questionários eram todos feitos de respostas fechadas... menos numa pergunta: O que é, para si, ser feliz? Oh meus senhores - o que me foram pedir para escrever. Não só gastei as cerca de dez linhas que tinha disponíveis, como ainda ocupei o início de uma linha invisível em baixo. Mais tinha ainda para dizer, mas estavam já todos à espera das minhas folhas para se dar por encerrada a recolha (pois claro que fui a última a entregar! Não me podem fazer perguntas destas).

Sem comentários:

Enviar um comentário