sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Crónicas de Uma Tese

Quando te aparece um erro nas análises estatísticas, buscas todos os livros que tens à mão e o Google à procura de respostas mas ficas ainda mais confusa... O que é que, então, decides fazer em desespero? Claro: mandar um e-mail a todos os professores da faculdade que sabes que percebem um bocadinho de estatística ou que são vistos como xperts na coisa para ver se algum te salva.
Ora... Enviei os tais e-mails e, agora, alguns dias depois, começo a receber respostas. Eis o que eu tenho a dizer:
Uma coisa é quando as orientadoras de tese do teu núcleo (a tua inclusive) não perceberem de estatística - é mau, deveria ser inaceitável, mas pronto: uma pessoa lida com o assunto o melhor que pode. Outra coisa (e esta parte é para ser levada mesmo muito a sério) é quando o professor de estatística da faculdade (repito: DA FACULDADE) "não é uma espingarda" (palavras dele) na análise que estás a fazer e que te deu erro e que, portanto, não te sabe ajudar.
Só para enquadrar as pessoas: a análise que eu estou a fazer (MANOVA) é feita em milhentas teses de mestrado na faculdade. A partir do momento em que nem o professor de estatística sabe a resposta para os teus probelmas... Bitches, I don't care about this anymore. Vou seguir-me só e exclusivamente pela minha cabeça e, se não estiver perfeito, não está. Aparentemente ninguém vai saber mesmo dizer se está mal ou bem...
Conclusão da história: as teses são uma palhaçada pegada que (eu já desconfiava) nunca servirão para nada a não ser terminar o curso e ficar com mais conhecimentos teóricos acerca de determinado tópico. Por total e completo (pelo menos, na maior parte dos casos - há sempre aqueles sortudos que acertam em cheio numa amostra toda linda, equilibrada, com uma distribuição normal, e que lá conseguem publicar o estudo... mas tendo em conta tudo o que tenho presenciado nas teses vizinhas da minha, esses gambozinos devem ser um em mil ou dois mil).